GuidePedia


A diretoria do Flamengo não planeja demitir o técnico Zé Ricardo até o fim da temporada, mas a permanência depende de que ele resolva com urgência a má fase defensiva do time, que chega a ter média de 1,4 gol sofrido por jogo em julho por conta dos últimos apagões nos jogos do Brasileiro e da Copa do Brasil. Foram 14 gols em dez jogos. O dobro em relação a junho, quando em oito jogos o time foi vazado apenas seis vezes. A média, portanto, foi de 0,75 gol sofrido por partida.

Apesar da pressão sobre o treinador, a quinta colocação, a 15 pontos do líder Corinthians, não é tratada com desespero no clube. A comissão técnica entende que vem fazendo as alterações no time para buscar mais equilíbrio, contudo a cobrança aumentou depois que o sistema defensivo colapsou.

Independentemente de que zagueiros formem a dupla de defesa, todas as formações demonstraram falhas individuais, com colaboração dos volantes e laterais. E porque não falar dos goleiros, inclusive Diego Alves, que não fez a diferença desde que estreou.

Zé Ricardo, responsável pela parte técnica, é cada vez mais cobrado a encontrar, na mudança de peças ou de esquema, uma solução para conter as críticas internas e da torcida, que perderam a paciência diante de um alto investimento para a temporada.

O treinador, mesmo abatido, não sinalizou a intenção de jogar a toalha e seguirá em busca de uma volta por cima da equipe em termos de resultados. São sete jogos com apenas uma vitória. O alento é a capacidade do time de jogar de igual para igual com as principais forças do Brasileiro. Mesmo assim, o Flamengo não foi capaz de vencer nenhuma equipe do G-6.




Fonte: Extra

Curta nossa página no Facebook:http://migre.me/tbpub
Siga-nos no Twitter:http://migre.me/tbpub



 
Top