GuidePedia


CSM envia oferta para levar administração da Odebrecht, conta com reequilíbrio de contrato e dobradinha com clubes: “Vou me surpreender se a proposta não for aceita”
A disputa para assumir a administração e gestão do Maracanã ganhou novo capítulo nesta quarta-feira com a oferta do grupo inglês CSM, parceiro de Flamengo e Fluminense, para comprar a concessão da Odebrecht. A informação foi divulgada pelo colunista Lauro Jardim, do Jornal ”O Globo”. A oferta será levada ao governo do estado do Rio de Janeiro.
O executivo da CSM, Cadu Ferreira, mostrou otimismo que a oferta da empresa seja vencedora. Lembrou que a filosofia da empresa é similar à dos parceiros e citou o edital que previa a utilização do estádio por dois clubes.
– Vou me surpreender se a nossa proposta não for aceita. Somos a única empresa que tem contrato com Flamengo e Fluminense, independentemente do sócio torcedor que fazemos com eles. Porque nossa filosofia é a mesma dos clubes: a gente entende que os clubes devem ser os protagonistas, não uma empresa qualquer de marketing esportivo. Os clubes são o carro-chefe do estádio, e os colocamos à frente da organização dos jogos. Vai ser outro Maracanã. O clube vai se sentir em casa, diferentemente do modelo em que ele era um mero cliente. Qualquer outra proposta não está alinhada com o edital de licitação vencido pela Odebrecht em 2013. Havia uma cláusula que obrigava o uso do estádio por dois clubes cariocas. Antes de fazer a proposta, a gente sentou com governo, Casa Civil e Odebrecht. Não tiramos a proposta da cartola. Ela está feita dentro do reequilíbrio financeiro – afirmou Cadu Ferreira.
Após assumir a gestão do estádio em 2013, o consórcio da Oderbrecht pediu rescisão do contrato. A partir daí, o Flamengo adotou uma postura mais dura e passou a dizer que não abriria mão de uma administração que colocasse o clube como protagonista no Maracanã. O Fluminense, por sua vez, manteve a postura de aguardar definição da questão, afinal, tinha contrato em vigor com o concessionário.
No último mês, o governo do estado do Rio de Janeiro se reuniu com a francesa Lagardère – associada à brasileira BWA – para transferir de forma direta a concessão do Maracanã da Odebrecht. O Rubro-Negro divulgou nota oficial e reforçou que não aceitaria jogar no estádio com outro consórcio. Nesta semana, o Flamengo acertou acordo com a Portuguesa da Ilha para usar o Luso-Brasileiro a partir de janeiro. O contrato é de exclusividade por três anos.
Estudo prevê investimento 80% menor
A Fundação Getúlio Vargas concluiu estudo no meio do ano passado que previa reequilíbrio do contrato de concessão. A onda de manifestações em 2013 impediu demolições de estrutura e a construção de estacionamento e shopping center, entre outros empreendimentos que permitiriam exploração comercial dentro do complexo esportivo.
Inicialmente, o edital de licitação citava R$ 594 milhões de investimentos a serem feitos. Este valor seria bem reduzido, para cerca de R$ 120 milhões, segundo o estudo da FGV. Para o executivo da CSM, “nada que o Governo não tenha sinalizado que não possa fazer”.
Acordo por 32 anos também com o Fla
O diretor geral do Flamengo, Fred Luz, reforçou que o clube continua querendo a licitação, para assumir diretamente a administração e gestão do estádio – nos moldes atuais, eles só podem participar em contratos de utilização do Maracanã. Mas lembrou que, com a CSM, o clube se sentiria protegido. Recentemente, o presidente Eduardo Bandeira de Mello disse que o Flamengo não cederia a “chantagens” para fechar contrato com a Lagardère e a BWA.
– Todo mundo sabe que o Flamengo deseja mesmo é que tenha uma nova licitação, onde possa participar e ser protagonista. Na hipótese de isso não ocorrer, não aceitaria que a empresa intermediária viesse prejudicar os interesses do Flamengo. Fizemos um acordo com a CSM e, se esse modelo prevalecer, o Flamengo considera satisfatório – afirmou o dirigente do Flamengo.
Caso a CSM assuma o estádio, o acordo com o Flamengo será de 32 anos. Mesmo período que ainda resta de contrato do Fluminense com a Odebrecht. Procurada, a atual concessionária informou que não iria se manifestar sobre propostas comerciais recebidas para vender a concessão do Maracanã.
Flu poderá romper acordo por estádio próprio
Peter Siemsen, presidente do Flu, confirmou o acordo com a CSM. Nele, a base do contrato com a Odebrecht é mantida, ou seja, não há custo para atuar no estádio. Há mudanças, porém: o Tricolor não tem mais a obrigatoriedade de mandar jogos contra times pequenos no Carioca e os das duas rodadas iniciais da Copa do Brasil no Maraca – o Giulete Coutinho, casa do America-RJ, é a alternativa. Nas demais partidas, o preço dos ingressos parte de R$ 40.
Além disso, o clube tem o direito de rescindir o contrato ou deixa de ter a obrigação de levar suas partidas ao Maracanã a partir do momento em que construa um estádio próprio. Peter considerou a negociação vantajosa:
–  Antes, o Fluminense tinha obrigatoriedade de jogar no Maracanã. Agora, há a opção de rescindir e a opção de não ter a obrigação de atuar lá, no caso do novo estádio. Isso se o futuro presidente realmente quiser construir, não sou eu que vou decidir. Mesmo assim, os confrontos de grandes públicos podem ser levados ao Maracanã. Então, temos um contrato em vigor interessante, que passará por ajustes que em nada prejudicam o Fluminense. A empresa que é  nossa parceria. É vantajoso ao clube.
Fonte: GE
Curta nossa página no Facebook:http://migre.me/tbpub
Siga-nos no Twitter:http://migre.me/tbpub


 
Top