GuidePedia

Onde você estava há oito anos? Enquanto fazia as malas para uma temporada com a seleção brasileira, Alex Santana talvez se lembre desse período, do tempo e lugar onde conseguiu o apelido de Muralha. Longe dos holofotes que a seleção atrai – com direito a coletiva de imprensa internacional – o hoje goleiro do Flamengo tem na carreira um clube omitido em seu currículo nas páginas pela internet: o modesto Serrano (hoje Prudentópolis FC) do Paraná. Foi lá, em 2008, que ele teve suas primeiras chances como profissional.

"Na época a gente fez um contrato de seis meses para o campeonato e ele devia ganhar uns 200 reais como ajuda de custo. A gente estava iniciando o clube, não tinha recursos", contou o ex-presidente do Prudentópolis – hoje na primeira divisão paranaense – Valdir Luiz Canini. O valor era menor que o salário mínimo à época, R$ 415,00. Cifras bem distantes das de hoje no Flamengo, morando no Rio de Janeiro.

"Ele morava no alojamento do estádio mesmo, era bem simples. Hoje foi melhorado. Eram dois beliches por quarto, refeitório do lado. Morava e comia ali", completa o cartola. Eram tempos bicudos para Alex Santana, futuro Muralha. Mas estava pior antes de chegar ao alojamento do Newton Agibert, estádio para 3 mil pessoas que pertence a prefeitura de Prudentópolis.

Aos 19 anos, ele encontrou refúgio no clube da cidade de pouco mais de 50 mil habitantes, distante 180 km da capital Curitiba. Nascido em Três Corações assim como Pelé, Alex Muralha foi ser juvenil no Paraná Clube, então vivendo a turbulência de quem havia jogado a Libertadores e sido rebaixado para a Série B em 2007. Acabou dispensado antes de se profissionalizar. Foi então que surgiu o antigo Serrano.

"Nós profissionalizamos o clube, que tinha disputado o Paranaense sub-20 e montamos a base só com jovens para 3ª divisão. Estávamos atrás de um goleiro e ele tinha sido dispensado do Paraná Clube. Veio para cá, fez um teste, foi bem e ficou", relembra Canini. O Serrano ganhou a terceira divisão do Paraná, primeiro título de Muralha. "Havia outro titular no gol, mas ele depois ele jogou na campanha", conta o dirigente.

"O futebol dá essa oportunidade de as coisas mudarem da noite para o dia. Estou levando numa boa, estou muito feliz na minha vida e na minha carreira", contou Muralha na coletiva de imprensa com a camisa do Brasil em Natal, na última segunda-feira (03). De azul, Muralha voltou a vestir uma das cores do clube que o dispensou em 2008.

"Eu achei ele em Mandaguari (região metropolitana de Maringá, no noroeste do Paraná), numa peneirada. Fui buscar outro jogador e vi ele treinando, convidei na hora. Depois tudo mudou no clube, saí e não soube mais dele. Só que havia sido dispensado", relata Ary Marques, hoje técnico de futebol, na época coordenador da base do Paraná Clube. Naquele ano, Paraná e Flamengo se enfrentaram na Libertadores. Talvez Alex Santana ainda não imaginava pegar a vaga que era de Bruno, cuja história é conhecida.

Foi com o treinador de goleiros Cotia que Santana deu lugar a Muralha no nome de Alex. Esse é o apelido do preparador dele na época no Serrano. O pupilo de Cotia – a Muralha - foi assumindo o apelido nos treinos, rememora Canini: "Nos trabalhos de chute a gol ele era uma muralha, não deixava passar nada. Aí começaram a dizer, 'parece uma muralha, parece uma muralha!' Pegou".

Ao final daquele campeonato com o título paranaense da terceira divisão, Muralha deixou o clube. Rodou pelo interior de São Paulo, passou pelo Japão e foi brilhar no Figueirense. Dali para o Flamengo e agora para a Seleção Brasileira. Tudo em oito anos. E você, onde estava oito anos atrás?

Fonte: Uol

Curta nossa página no Facebook:http://migre.me/tbpub
Siga-nos no Twitter:http://migre.me/tbpub


 
Top