GuidePedia


A reforma da Gávea para receber jogos de futebol do Flamengo para até 20 mil pessoas passou a ser tratada como uma realidade pela administração Eduardo Bandeira. O presidente aposta na boa relação com os candidatos a prefeito para obter do futuro eleito as licenças e alvarás necessários e iniciar a obra em 2017, quando começa um novo mandato na prefeitura, que tem trabalhado como parceira do clube no andamento de projetos rubro-negros.
Bandeira tem se encontrado com candidatos e recebido acenos positivos para a tão sonhada reforma do estádio. Os dirigentes rubro-negros consultaram engenheiros e especialistas para assegurar o menor impacto urbano possível na região. A associação de moradores, segundo Bandeira, também não se opôs. No entanto, a presidente da Associação de Moradores do Leblon (AmaLeblon), Evelyn Rosenzweig, informou que entidade “não foi ouvida e desconhece essa reforma”.
Hoje, a Gávea recebe jogos das categorias de base e tem capacidade para quatro mil pessoas. Uma nova arquibancada seria erguida, menor que a atual.
– Uma das coisas que tenho conversado com os possíveis prefeitos é o projeto de reforma e ampliação do estádio de futebol, para 20 mil espectadores na Gávea, com arquibancada mais baixa que a atual. É um estádio butique, com equipamento para comunidade do entorno previsto no projeto, que iria valorizar uma área próxima, que está degradada. Já conversamos com a associação de moradores e eles gostaram da ideia, que não depende de licença de estado, porque a Gávea foi cedida nos anos 1930, vamos reformar e ampliar – disse Bandeira.
Com as recentes inaugurações das estações de metrô próximas ao estádio (Jardim de Alah e Antero de Quental), o impacto do trânsito seria menor que o previsto há dois anos. Ainda assim, o projeto de reforma prevê jogos em horários que não sejam de “rush” no trânsito.
– Agora, há estações de metrô na proximidade, dez minutos de caminhada. Mesmo com isso, prevemos jogos 20 vezes ao ano e em horários que não sejam de pico – declarou o presidente, ressaltando que a reforma prevê a construção de restaurante, lojas e equipamentos esportivos para uso da população.
Bandeira afirma que foi procurado por dois candidatos e aguarda contatos dos demais. Ele assegura que não condicionou apoio, o que é proibido pelo estatuto do clube:
– Eu entendo que é de interesse do Flamengo conversar com os potenciais futuros prefeitos sobre os projetos do Flamengo. Isso não implica apoio do clube, que não é permitido pelo estatuto. E eu não devo me manifestar em respeito às convicções de cada torcedor do Flamengo, como fiz em 2014.
MARACANÃ PARA JOGOS MAIORES
Mesmo com o projeto de reforma do estádio da Gávea, o Flamengo não abrirá mão de concorrer em futuro processo de licitação para administrar o Maracanã, que ficaria reservado aos jogos de grande porte.
– Maracanã é um estádio caro. Se for para menos de 20 mil pessoas, não tem motivo para um jogo ser realizado no Maracanã. E isso não tem nada a ver com a prefeitura, mas quando e se o Flamengo for gestor do Maracanã, vamos incentivar a presença de alunos da rede pública de ensino e seus familiares. Vamos abrir para outros clubes e para a seleção. Não vamos ficar de picuinha, não, acho até que deveria ser colocado isso no projeto de licitação – explicou Bandeira.
A Arena Multiuso, outro projeto do Flamengo que dependia da aprovação da prefeitura, deve sair do papel em breve. Bandeira assegura que as autorizações pendentes já saíram:
– A gente já vem conversando sobre a Arena Multiuso, não está formalmente aprovada, mas o prefeito Eduardo Paes já até tuitou sobre a aprovação. Acho que já está até assinada, porque está tudo aprovado com secretaria de meio ambiente, a questão da compensação ambiental devido ao corte de árvores.
Fonte: Panorama Esportivo
Curta nossa página no Facebook:http://migre.me/tbpub
Siga-nos no Twitter:http://migre.me/tbpub


 
Top